Votação do Orçamento de 2014 pode ficar para o ano que vem

2 de dezembro de 2013

Política



Votação do Orçamento de 2014 pode ficar para o ano que vem
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-12-02/votacao-do-orcamento-de-2014-pode-ficar-para-ano-que-vem
Dec 2nd 2013, 09:43

Carolina Gonçalves e Karine Melo

Repórteres da Agência Brasil
Brasília - A menos de um mês do recesso legislativo, o governo corre o risco de não ter a peça orçamentária de 2014 aprovada até o fim de dezembro. "A tendência natural [dos parlamentares] é forçar a mão na questão do Orçamento para ver se é possível cumprir o calendário. Acho que não vai dar [tempo]", admitiu o senador Walter Pinheiro (PT-BA), um dos parlamentares da base aliada do governo mais envolvidos no debate.
A incerteza ocorre devido ao impasse sobre o Orçamento Impositivo, uma demanda do Congresso para garantir que as emendas individuais de parlamentares sejam obrigatoriamente executadas. O governo cedeu e autorizou que 1,2% da receita corrente líquida do ano anterior fosse destinada a essas emendas, mas como condição exigiu que metade do percentual fosse investida na saúde.
A negociação que ocorreu quando a proposta tramitava no Senado não teve consenso na Câmara, que reagiu dividindo a proposta em duas partes. Agora a ideia é votar um projeto só sobre o Orçamento Impositivo e outro sobre financiamento da saúde. Com isso, deputados e senadores terão o desafio de resolver a questão em menos de um mês – antes do recesso parlamentar, que começa em 23 dezembro. Caso não haja acordo, a votação da lei orçamentária pode ficar para o ano que vem.
Para o economista Raul Velloso, ex-secretário de Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento, o impasse em torno da PEC não ameaça os gastos e investimentos para 2014."Isso pode perturbar, mas não será um problema", disse. Velloso lembrou que, em outros anos, o governo recorreu a dispositivos legais que garantiram a liberação de gastos essenciais. "Esses gastos tratam de pessoal, de Previdência, de salários. Ninguém vai contra a liberação desses recursos e os outros gastos, não essenciais, nunca são liberados em início de ano. Podem ser desembaraçados ao longo do ano", avaliou.
Se o impasse não prejudica o Orçamento, no mínimo, deixa indefinida a parcela de investimento da União em saúde. Além de tratar de emendas parlamentares, a proposta aprovada no Senado previa que, a partir do próximo ano, 13,2% da arrecadação da União fosse aplicada em programas e ações de saúde em 2014. Esse percentual aumentaria, de forma escalonada, até 2018, chegando a 15%.
Edição: Talita Cavalcante
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias, é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/kdt/7qh3fv

Espalhe:

Comentário(s)



Explore o MAXX

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Cultura

Famosos
MAXX FM
Música
Sobre Rodas
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2016 © MAXX Internet - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade, em especial no que tange ao uso de cookies."

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o portal